Por Isaac Edington

Já avançamos muito em cobrar atitudes das empresas sobre assuntos relacionados à responsabilidade socioambiental. Por essa razão, nós, consumidores e antes de tudo cidadãos, temos sido beneficiados pelo fato de grandes, médias e até pequenas empresas estarem atuando de forma responsável nos mais variados setores econômicos. E os times de futebol?

futebol sustentabilidadeBom, em termos globais, a Uefa (órgão que administra o futebol europeu), por exemplo, investe e desenvolve diversos programas sociais; a Fifa iniciou em  2005 o movimento Football for Hope e vem apoiando desde então, no mundo inteiro, programas que combinam futebol e desenvolvimento social. Times europeus também. O Chelsea da Inglaterra, que possui uma atuante fundação, recentemente anunciou investimentos comunitários no outro lado do planeta, no bairro do Harlem, em Nova York. A Barcelona Foundation, controlada pelo time do craque Messi, se uniu à Fundação Bill & Melinda Gates na luta contra o pólio, exemplos entre tantos pelo mundo.

E os times no Brasil? Resposta: no país do futebol, os times ainda engatinham nessa questão. Justiça aos passos que o Corinthians vem dando, publicando  inclusive relatórios de sustentabilidade, atitude raríssima no setor, o que  já indica um esforço do clube em buscar transparência e mesmo ética na relação com seus públicos de interesse. O Internacional de Porto Alegre, que também tem realizado projetos próprios em parcerias com instituições, são exemplos quase que solitários no vasto cenário dos times brasileiros que fazem muito pouco em termos de responsabilidade social. Muito pouco, principalmente se falarmos da grande influência que o futebol exerce na sociedade brasileira, nas multidões que o mesmo consegue reunir e na relevante movimentação econômica direta e indireta ligada ao esporte maior da pátria das chuteiras de Nelson Rodrigues.

E o seu time? Ah, essa eu não vou responder, leitor/torcedor. Você é que deve responder, afinal, você conhece muito bem o seu time. Portanto, responda as seguintes perguntas: O seu time tem realizado projetos/iniciativas relevantes de contribuição social ou ambiental? O seu time tem apoiado com frequência projetos ou causas de interesse da sociedade? É comum o seu time mobilizar os torcedores para engajamento em benefício de causas socioambientais? O seu time tem um programa estruturado de responsabilidade socioambiental? O seu time possui na sua estrutura de gestão alguém que cuida da área socioambiental? O seu time preza pela transparência na aplicação dos recursos? O seu time tem feito algo pela sua cidade? Fazendo essas perguntas com relação ao seu time, você mesmo irá tirar as suas próprias conclusões.

A questão é: o que você irá fazer em seguida? Se as respostas forem satisfatórias e seu time estiver trilhando caminhos que apontem na direção de uma atuação socialmente responsável, sugiro que você aplauda, apoie, encoraje e, ao mesmo tempo, acompanhe para que continue no rumo. Se você achar que a atuação do seu time deixa a desejar, é hora de começar a cobrar dele uma mudança de atitude. Tenha certeza de que será muito bom para o seu time e melhor ainda para sociedade. E você, torcedor, terá um motivo a mais para se orgulhar do seu time do coração. Um recado para os dirigentes de clubes baianos: a Bahia possui um verdadeiro “time” de profissionais e organizações que podem ajudar muito às equipes de futebol rumo a uma atuação socialmente responsável consistente. Procurem esse time.

Fonte: Revista Exame

Comments are closed.