Economia Verde1

Com o crescimento latente de uma nova Economia Verde, os conceitos de valor e progresso adquirem sentido renovado. Porém as informações e indicadores sobre o retorno financeiro das iniciativas sustentáveis confirmam o interesse do setor privado nesta corrida do bem para sobrevivência no mercado. Vejamos alguns dados que comprovam.

Conforme Censo da GIFE (Grupo de Institutos Fundações e Empresas), 2012 

Das empresas que investem em meio ambiente:

Educação ambiental – 79%

Lixo, reciclagem, tratamento de resíduos e saneamento – 61%

O autor Bob Williard, 2008 sobre os ganhos da sustentabilidade:

Empresas grande porte: 33% de ganhos no curto e médio prazo

Empresas de médio e pequeno porte: até 68% de ganhos no curto e médio prazo

Motivos: aumento de produtividade, das facilidades de financiamento, das receitas e do valor de mercado, da atração e retenção de talentos e da redução de custos de produção, despesas em sites comerciais e de riscos.

Pesquisa Sentimento em Relação à Compra de Novos Produtos da NIELSEN

62% dos brasileiros gostam quando indústria coloca itens inéditos no mercado

53% se dispõem a pagar mais por artigos inovadores

Na América latina a média não passa de 28%

45% dos brasileiros compram com ainda mais facilidade se receberem amostra grátis

 Índice de Sustentabilidade Empresarial

Empresas listadas no ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial) da BM&FBovespa valorizaram-se 20,5% em 2012.

Enquanto o Ibovespa – índice que reúne 80% das empresas com maior liquidez de São Paulo – subiu 7,4%.

Perdas com desastres naturais

No Brasil de 2008 a 2011 desastres naturais custaram R$ 15 bilhões. No mundo, apenas em 2011, os desastres custaram perdas de quase R$ 370 bilhões. UNISDR (Escritório das Nações Unidas para a Redução de Riscos por Desastres)

Comments are closed.